Nossa missão

    Liberdade, Resgate, Restauração, Redenção, Capacitação
    Nossa missão é de libertar os cativos, resgatar os perdidos, restaurar identidades, redimir destinos e capacitar a Igreja.

    Nossos Valores

    1) A intimidade com Deus

    “Você vai me procurar e me encontrar, quando você me buscar de todo o coração.” (Jeremias 29:13)

    A posição original do homem estava cara a cara com Deus Pai (Gn 2: 7) e fomos criados para seu prazer. Antes dos fundamentos do mundo, fomos escolhidos para sermos santos, inocentes, para permanecermos em amor e adotados como filhos e através da cruz fomos redimidos para esta identidade (Ef. 1: 4-5). Por causa da morte e ressurreição de Jesus, podemos experimentar a intimidade, comunicação e companheirismo com Ele na Sua Presença, se compartilharmos Seu amor por justiça.

    Sabemos que, sem realmente encontrar Deus, em cumprimento de Jer. 29:13, não podemos fazer o que fazemos. Não podemos amar com um sobrenatural e irrefreável amor, a menos que, na verdade, experimentemos o amor do Pai por nós mesmos em primeiro lugar. Nosso primeiro valor é conhecer Jesus em um relacionamento apaixonado, com um amor que é mais forte do que a morte (Ct 8: 6).”

    2) A dependência do Pai

    Então Jesus disse-lhes: “Em verdade, em verdade vos digo que, o Filho nada pode fazer de sua própria vontade, mas somente o que vê o Pai fazer. Para o que o Pai faz, o Filho o faz igualmente.” (João 5:19)

    Nós somos totalmente dependentes dEle para tudo, e nós precisamos esperar milagres de todos os tipos para nos sustentar e confirmar o Evangelho em nosso ministério. Nós valorizamos a honestidade, o trabalho e boa mordomia, e estaremos sempre dispostos a fazer a nossa parte, mas sabemos que todas as coisas boas vêm do Pai e que Ele irá fornecer muito além dos frutos do nosso trabalho.

    Caminhamos como agentes da plena adoção das boas novas convidando todos os perdidos e quebrados para virem à mesa do banquete do Pai (Romanos 8:15). Como, muitas vezes oramos, “mostra-nos como amar, ensina-nos a ver”, entendemos que Ele é a fonte do amor e da graça e nós somos apenas vasos alegres e humildes.

    3) Avivamento entre os pobres

    O mínimo que se deve tornar-se um clã, e o menor, uma nação forte; Eu sou o SENHOR; em seu tempo vou apressá-la. (Isaías 60:22)

    Reconhecemos que a chave para a nação é o único (Isaías 60:22). Como Jesus buscamos os poucos dentre a multidão, sempre parando para um. Nós vamos para os negligenciados, esquecidos, solitários. Não é porque é nosso dever, mas porque é a nossa alegria. A idéia de restaurar os filhos e filhas perdidos ao Pai era a alegria que lhe estava proposta a Cristo como ele suportou a cruz (Hebreus 12: 2). Da mesma forma, vemos os perdidos e os quebrados como a alegria de Cristo e nós compartilhamos dessa alegria como seu corpo.

    Servimos o quebrado, pobre e necessitado, não em pena ou tristeza, mas com a expectativa de renascimento. Vemos e encontramos Jesus entre os menores e quanto mais perto estamos deles para mais perto estamos de seu coração (Mateus 25). Buscamos ser ainda menores frascos para que possamos ser ainda mais completo dele.

    4) O valor do sofrimento e da alegria

    “Ora, se somos filhos, então somos herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, se de fato participamos dos seus sofrimentos, para que também participemos da sua glória” (Rom. 8:17).

    Aprender a amar requer vontade de sofrer por causa da justiça. Disciplina e teste nos fazem santos além de nós e produzem em nós a santidade sem a qual não veremos Seu rosto e compartilharemos da Sua glória. Com Paulo regozijamo-nos em nossas fraquezas, pois quando somos fracos nós somos fortes. A alegria do Senhor não é opcional, e supera em muito o nosso sofrimento! Em Jesus, torna-se a nossa motivação, recompensa e arma espiritual. Em Sua presença há plenitude de alegria, e com Paulo nós testemunhamos que em todos os nossos problemas a nossa alegria não tem limites (2 Cor. 7: 4).

    5) Quanto à urgência e Consistência

    “… Corramos com perseverança a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, o autor e consumador da nossa fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposta, suportou a cruz …” (Hebreus 12: 1 -2)

    Nós temos uma urgência para os perdidos, mulheres e crianças envolvidas em prostituição, exploração e abuso completamente libertos. Nós nunca queremos que as histórias de abuso e exploração para tornem-se “normais”, nunca queremos ser insensíveis. Nós sempre queremos ter urgência em nossos corações. No entanto, também entendemos que é uma maratona e não uma corrida de velocidade e desejamos ser coerentes no amor, compromisso e no nosso serviço aos pobres e necessitados.

    X