Encontramos muitas pessoas sem-teto na rua, mas nem sempre fazemos parte de uma reunião familiar. Alguns meses atrás, um membro da equipe encontrou uma pessoa na praça da cidade que visitamos semanalmente. O homem pediu ajuda para entrar em contato com um membro da sua família atualmente morando nos Estados Unidos. Esse membro da equipe passou o número para mim e envolvi a minha mãe, pedindo-lhe que ligasse para esse membro da família e passasse o e-mail do homem. O que nenhum de nós sabíamos era que o nosso novo amigo brasileiro havia tido como morto por sua família! Eles não conseguiram localizar ou contactá-lo nos últimos 22 anos! Dentro de uma semana, as duas irmãs chocadas pegaram um voo ao Brasil determinadas a encontrar seu irmão. Eu e outros dois voluntários da equipe Shores colocamos de lado nossas agendas para procurar nosso novo amigo, uma bela história se desenrolou…

    Na semana anterior à chegada das irmãs ao Brasil, esse homem nos disse que se converteu ao cristianismo dois anos antes e sabia que precisava pedir desculpas a sua família pelo transtorno que causou. Esse homem viajou para Recife porque sentiu a direção do Senhor para vir. Ele também fez um voto com o Senhor recentemente pedindo que até o final do ano, ele teria algum tipo de resposta ou reunião. Enquanto nos Estados Unidos, uma irmã, que se identifica como budista, visitou um evento de oração na esperança de receber algum tipo de resposta sobre seu irmão. Um conhecido ministro chamou-a e falou que tivesse esperança para encontrá-lo. No mesmo dia, ela recebeu a mensagem de minha mãe sobre ele.

    As irmãs encontraram seu irmão no segundo dia de busca e, infelizmente, eu não pude estar lá para testemunhar suas reações. No entanto, me disseram que o homem sorriu e se abraçaram! Nos dias seguintes, mantive contato com eles.
    As irmãs o acompanharam para a igreja e passaram o tempo juntos para recuperar o atraso. As irmãs até visitaram nossa base de missão um dia e nosso culto também. Ao perguntar a uma irmã o que ela pensava (aquela que pratica o budismo), eu sorri quando ela disse que gostou bastante do culto. Ela sentiu paz e pensou que o pregador (nosso diretor auxiliar de Shores) estava “inspirado”. Eu não fui tímida durante nosso tempo juntos para conversar com elas sobre o amor do Pai pela sua família e o desejo de reconciliação entre eles. Na mesma semana, as irmãs voaram sua mãe dos Estados para o Brasil para se encontrar com seu filho. Ela foi a última a falar com ele antes de cortar todos os contatos. Estou esperando para ouvir a atualização completa, mas ouvi boas notícias…

    Embora o homem tenha escolhido permanecer no Brasil sem uma casa ou trabalho, as irmãs e eu estamos tentando achar ideias sobre como podemos ajudá-lo. Claro, estou convencida de que essa história foi escrita pelo Senhor e oro para que o coração desse homem se suavize para receber ajuda para que toda a família possa caminhar na plenitude das bênçãos que Deus está desejando derramar sobre eles!

     

    Texto porDanielle Pagnanella, missionária em Shores.